Ir para o conteúdo

Ir para o menu

Minha foto
Nome:
Local: Itatiba, SP, Brazil

Pode até parecer fraqueza, pois que seja fraqueza então!

25/10/2009

"Torna-te quem tu és"

Quando terminou as últimas páginas daquele livro, essa frase ficou marcada para ela. Parecia fácil e óbvio.
Mas só se pode tornar-se quem és, quando se sabe quem és.
E ela não sabia quem era, não se conhecia, se surpreendia com ela mesma a cada dia, e se era difícil assim saber quem ela era, pensou em quão difícil era saber quem era o outro.

Como era difícil saber quem era "ele".
Ele possuía toda a doçura que um ser pode ter, um olhar inocente de menino misturado com uma malícia inexplicável.
E quando ele sorria, ela sentia toda a paz do mundo invadindo sua alma e desejava ficar ao lado dele pra sempre.
Ela não entendia, ele que parecia ser tão igual aos outros, na verdade era diferente de todos.
Cada pessoa é única, por suas individualidades, mas ele era mais único do que qualquer outra pessoa jamais poderia ser.
Ele tinha a frase certa, o gesto exato, conhecia como ninguém a fórmula para conquistar corações, e fazia isso com tanta naturalidade...

E ela descobriu isso naquele primeiro beijo, com todo aquele magnetismo foi como se o mundo tivesse parado naquele instante e não existisse nada mais além daquele beijo.
Uma sincronia perfeita de linguas, mãos, corpos e desejo.
Não existia mais chão sob os seus pés, ela flutuava ao invés de caminhar, e queria ficar perdida naquele momento para sempre.

Ela o odiava.
Sentia ódio daquele beijo que ela queria denovo e denovo, odiava aquele arrepio, odiava aquele desejo que transbordava pelos poros de sua pele quando ele estava perto, odiava a saudade que sentia, odiava querer ele a todo instante, odiava se pegar pensando nele, odiava perder o controle, odiava se importar, odiava enlouquecer.

O gosto do beijo dele não saia de sua boca, seu cheiro estava nas roupas dela, e ele sabia que ela não queria nenhum outro, sabia que somente ele a embriagava de emoções.
E isso fazia com que ela sentisse mais ódio ainda.
Ela odiava como ele fazia bem pra ela.
E por deseja-lo tanto ela decidiu esquece-lo, mas como ela iria esquecer?
Não era possivel esquece-lo, cada beijo, cada frase, cada riso, estava tatuado pra sempre na memória dela.

Então ela resolveu tira-lo de sua vida, e ficar somente com as lindas lembranças que tinha.

por ♥ Janinha ♥ @ 16:48

5 Comentários

Blogger nkrock@hotmail.com diz...

Muito bom o texto, parabéns!!!
Abraço.
Canibal

25 de outubro de 2009 17:57  

Blogger Gustavo diz...

sincero.
bonito.


:)

26 de outubro de 2009 12:35  

Blogger Wagner Brandao diz...

Lindo D+ o texto..muito comovente, parabens....bjs

27 de outubro de 2009 18:00  

Anonymous Anônimo diz...

Encontrei seu blog meio sem querer e gostei dele. Não tenho o costume de comentar mas mudei de idéia quando li "A menina que não chorava".

Conheço uma história parecida de um menino que não chora...
E esse menino, da história que eu conheço, se sentia menos sozinho toda vez que ouvia uma história diferente sobre alguma outra vida, e essa história lembrava a dele mesmo.
Talvez por isso eu tenha lembrado dele e tenha tido vontade de comentar.


Mas então, meu nome é Rafael e seu blog é muito bom, parabéns!

29 de outubro de 2009 05:20  

Blogger ♥ Janinha ♥ diz...

Oi Rafael!
Tenho certeza que a menina que não chorava tbm gostaria de conhecer pessoas ou ouvir histórias de gente como ela!

Obrigada pela visita, volte sempre!

29 de outubro de 2009 17:20  

Postar um comentário

<< Home

Voltar ao menu